Saúde – Urandir & Just-True News

Lasers de alta e baixa potência vêm sendo cada vez mais utilizada nos consultórios odontológicos, seja para tratamentos estéticos, cirúrgicos ou terapêuticos. Isoladamente ou como coadjuvante em tratamentos convencionais, o uso do laser é cada vez mais frequente. 

O laser é uma fonte de luz com características específicas que a diferem de outros tipos de luz, sendo monocromática (um único comprimento de onda), de alta intensidade, direcional e coerente. Os lasers de alta potência geram calor e são utilizados em cirurgias de tecidos moles bucais e remoção de tecido duro (esmalte, dentina e osso). Já os lasers de baixa potência – os mais utilizados atualmente na Odontologia – atuam nos processos de reparação tecidual, analgesia e biomodulação das atividades celulares, não possuindo efeito térmico. Quando associado a uma agente fotossensibilizante e em presença de oxigênio, o laser de baixa potência pode levar a redução microbiana e morte celular, na chamada Terapia Fotodinâmica.

Hoje também são utilizados os LEDs (diodos emissores de luz), que possuem características distintas da luz laser, para a fotoativação de resinas compostas (material estético utilizado para a restauração de dentes) e aceleração da reação de decomposição do gel clareador no clareamento dental.

Segundo a Profa. Dra. Patrícia Freitas, “O laser de baixa potência tem efeitos importantes no tratamento da herpes labial, aftas, parestesias (falta de sensibilidade) e nevralgias. Pode apresentar efeito analgésico, aliviando a dor do paciente, como também favorecer a reparação de um tecido lesionado, pela sua ação biomoduladora. É importante que o profissional saiba utilizar adequadamente o laser e indicar o uso dos diferentes comprimentos de onda do laser de baixa potência (vermelho ou infravermelho) para cada situação clínica específica”.

Patrícia ainda ressalta “Se você já teve herpes ou aftas bucais, sabe o quanto isso incomoda, traz dor e transtornos até mesmo para se alimentar. O tratamento com laser não melhora apenas a dor, mas, em casos de paciente que manifestam lesões de herpes labial, a laserterapia pode também diminuir a frequência com que essa lesão atinge o paciente”. O laser de baixa potência também é utilizado no tratamento de mucosite oral, um dos efeitos colaterais da quimioterapia e da radioterapia que causam grandes transtornos aos pacientes.

Na área cirúrgica, o laser de baixa potência tem sua aplicação no tratamento das parestesias (diminuição da sensibilidade, amortecimento ou formigamento pós-operatório). Também atua na redução da dor e edema pós-operatório e como coadjuvante no tratamento das disfunções da articulação têmporomandibular (ATM). O laser de alta potência pode ser utilizado nas incisões cirúrgicas proporcionando um excelente efeito coagulante, reduzindo o sangramento, a dor e o tempo de recuperação desses pacientes.

Existem diferentes equipamentos de laser com comprimentos de onda distintos, cada um com indicações de aplicações clínicas específicas. É preciso saber qual o mais adequado para cada utilização e qual vai promover o efeito desejado sobre um tecido em particular. Por isso, a indicação de uso deve partir sempre de um profissional com formação e conhecimento no uso dessa nova tecnologia, para que os benefícios comprovados na literatura alcancem o tratamento proposto para seu paciente.

Quadro informativo: 

A Profa. Dra. Patrícia Moreira de Freitas é vice-coordenadora do Laboratório Especial de Laser em Odontologia (Departamento de Dentística) da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo e Coordenadora de diversos cursos ministrados pela FFO-FUNDECTO (www.fundecto.com.br) na área de laser.

Saúde – Urandir & Just-True News
fonte: band saúde www.band.com.br