Tecnologia & Ciencia – Urandir – Just True News

<div class="media_box full-dimensions660x360">

<div class="edges">
<img class="croppable" src="https://img.r7.com/images/seca-sudoeste-eua-lago-mead-2014-1-17042020091710337?dimensions=660×360" title="Área do Parque Nacional do Lago Mead, em Nevada (EUA), durante seca em 2014" alt="Área do Parque Nacional do Lago Mead, em Nevada (EUA), durante seca em 2014" />
<div class="gallery_link">
</div>

</div>
<div class="content_image">
<span class="legend_box ">Área do Parque Nacional do Lago Mead, em Nevada (EUA), durante seca em 2014</span>
<span class="credit_box ">Jim Lo Scalzo / EFE-EPA – 25.7.2014</span>
</div>
</div>

<p>
A <a href="https://noticias.r7.com/brasil/15-perguntas-para-entender-as-mudancas-climaticas-21102019" target="_blank"><strong>ação do homem sobre o clima</strong></a> transformou o que já seria um longo período natural de seca no sudoeste dos Estados Unidos em uma megasseca, afirma um estudo publicado esta semana na revista de divulgação científica <em>Science</em> por pesquisadores da Universidade Columbia.</p>
<p>
De acordo com a pesquisa, os dados sobre o clima em uma vasta região do país indicam que, entre os anos de 2000 e 2018, os índices de precipitação e de umidade do solo são tão ruins ou até piores do que os piores períodos já registrados nos últimos 1200 anos.</p>
<p>
Os registros oficiais do clima nos EUA começaram a ser feitos a partir do ano 1900. Para saber sobre períodos de seca anteriores, os cientistas observam os anéis de crescimento em troncos de árvores e aplicam modelos climáticos (que são como equações matemáticas usadas para prever o clima) para desenhar como seria o clima em um determinado período histórico. </p>

<div class="media_box embed intertitle_box">

<div class="content">Megassecas são recorrentes, mas esta pode ser pior</div>
<span class="author"></span>
</div>

<p>
Com este método e também com registros históricos sobre os povos ameríndios que viviam na região do sudoeste dos EUA, sabe-se que este extenso território (que inclui também uma parte do noroeste do México) é historicamente afetado por secas sazonais e algumas delas são descritas pelos climatólogos como megassecas.</p>
<p>
Estudos anteriores apontam dois grandes períodos de estiagem extrema após a pré-história, uma nos anos 800 e outra em 1500.</p>

<div class="related_content">
<h6>Veja também</h6>
<ul>
<li><a href="http://noticias.r7.com/internacional/inundacao-fogo-praga-os-desastres-causados-pelas-mudancas-climaticas-14112019">Inundação, fogo, praga: os desastres causados pelas mudanças climáticas</a></li>
<li><a href="http://noticias.r7.com/internacional/mudanca-climatica-ameaca-producao-de-alimentos-alerta-onu-08082019">Mudança climática ameaça produção de alimentos, alerta ONU </a></li>
<li><a href="http://noticias.r7.com/saude/mudancas-climaticas-aumentam-doencas-pulmonares-diz-oms-15012020">Mudanças climáticas aumentam doenças pulmonares, diz OMS</a></li>
</ul>
</div>

<p>
A mesma metodologia dos troncos de árvores e modelos climáticos foi usada pelos cientistas de Columbia nesse estudo. "Nós temos dados sobre a seca atual e registros de anéis de crescimento de árvores suficientes para dizer que estamos na mesma trajetória das piores secas pré-históricas", escreveu o líder da pesquisa, o bioclimatologista Park Williams, em um comunicado oficial.</p>
<p>
Segundo Williams, os dados destes primeiros 19 anos do século XXI seriam muito semelhantes aos dados dos primeiros 20 anos das megassecas dos séculos IX e XVI. "Esta seca é maior do que qualquer uma que a sociedade moderna tenha visto."</p>
<p>
 </p>

<div class="media_box embed intertitle_box">

<div class="content">Influência das mudanças climáticas</div>
<span class="author"></span>
</div>

<div class="media_box full-dimensions460x305">

<div class="edges">
<img class="croppable" src="https://img.r7.com/images/seca-sudoeste-eua-lago-mead-2014-17042020092747928?dimensions=460×305" title="Em 2014, Lago Mead tinha perdido 39% do volume de água" alt="Em 2014, Lago Mead tinha perdido 39% do volume de água" />
<div class="gallery_link">
</div>

</div>
<div class="content_image">
<span class="legend_box ">Em 2014, Lago Mead tinha perdido 39% do volume de água</span>
<span class="credit_box ">Jim Lo Scalzo / EFE-EPA – 24.7.2014</span>
</div>
</div>

<p>
 </p>
<p>
Os pesquisadores dizem que pelo menos a metade desta seca histórica pode ser creditada ao aquecimento global provocado pela atividade humana no planeta. </p>
<p>
À revista <em>USA Today</em>, o climatólogo da Universidade da Califórnia em Los Angeles, Daniel Swain, que não fez parte da equipe do estudo liderado por Williams, diz que as evidências levantadas pela pesquisa são importante e mostram "que as mudanças climáticas provocas pelo homem transformaram o que seria um período longo de seca moderada em um evento climático severo como as megassecas do passado".</p>
<p>
Alguns dos impactos da megasseca em andamento apontados pelos pesquisadores são a ocorrência muito maior de incêndios florestais e a diminuição do volume de água de reservatórios, naturais ou não. O Lago Mead, formado por uma represa no Rio Colorado, é um dos maiores reservatórios artificiais dos EUA e registra uma diminuição constante do seu volume de água nos últimos anos.</p>
<p>
A região sudoeste dos EUA abriga hoje uma população de cerca de 15 milhões de habitantes e inclui estados como Colorado, Utah, Nevada e Novo México, além de uma parte da Califórnia.</p>

Tecnologia – Urandir – Just True News
fontes: Urandir News & Record Tecnologia www.r7.com