Saúde – Urandir & Just-True News

   urandir   SAUDE   Número de médicas cresce, mas elas ainda ganham menos que médicos

Mulheres já são 57,4% dos médicos até 29 anos, segundo Demografia Médica 2018
Pixabay

Embora a medicina esteja se tornando cada vez mais feminina, o salário das mulheres ainda é inferior ao de homens que ocupam as mesmas posições. Isso é o que mostrou um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de São Paulo publicado no periódico BMJ Open.

A pesquisa afirma que os fatores por trás das diferenças de renda são indeterminados e que podem depender apenas da discriminação de gênero.

“Os resultados mostraram que quando a variável ‘tempo de prática’ foi analisada, observou-se diferenças salariais em todas as categorias, indicando que a disparidade não é produzida ao longo da carreira médica. Portanto, acreditamos que o gênero pode explicar a disparidade salarial encontrada”, afirma o estudo.

Leia também: Brasil tem mais médicos, mas concentração está no Sudeste

A pesquisa foi realizada com 2.400 médicos em todo o país. Os dados foram coletados por meio de pesquisa por telefone. Foram mapeados salários e condições de trabalho, como local, carga horária e especialidade.

A conclusão foi que existe uma significativa diferença salarial por gênero no Brasil. A probabilidade de homens receberem a faixa salarial mensal mais alta é maior que a das mulheres em todas as variantes. Quase 80% das mulheres estão concentradas nas três categorias salariais mais baixas, enquanto 51% dos homens estão nas três categorias mais altas.

Entre os profissionais que trabalham de 20 e 40 horas por semana, apenas 2,7% das mulheres relataram receber cerca de US$ 10.762 por mês (cerca de R$ 42.780), em comparação com 13% dos homens.

A probabilidade de homens receberem o nível salarial mais alto – acima de US$ 10.762 – é de 17% e, de mulheres, de apenas 4%. 

Saiba mais: Conselho Federal de Medicina adota novo código de ética

A desigualdade salarial entre os sexos persistiu em relação à carga horária, atendimento em consultório e plantões.

Essas disparidades também foram relatadas em um estudo britânico que demonstrou que a renda das médicas representava apenas 89% da renda dos médicos. Da mesma forma, nos Estados Unidos, as mulheres recebem 83% da renda dos homens, trabalhando o mesmo número de horas por semana.

Homens ocupam cargos de liderança na medicina

A pesquisa da USP ressalta que, no Brasil, as mulheres geralmente concentram-se em especialidades como clínica geral, pediatria, medicina da família, ginecologia e obstetrícia, que pagam menos se comparadas, por exemplo, com especialidades cirúrgicas, que são em sua maioria ocupadas por homens. Pagamentos desiguais dentro de especialidades também foram relatados.

Eles também tendem a ser empregados assalariados e são menos propensos a possuirem consultórios. O estudo ainda aponta que homens tendem a ocupar posições de liderança com mais frequência do que as mulheres no meio médico. 

O estudo afirma que “a situação das mulheres no universo do trabalho médico no Brasil é paradoxal”. “O número de mulheres na profissão aumentou significativamente, mas as desigualdades em relação aos homens persistem”.

Embora os homens ainda sejam maioria entre os médicos (54,4%), esse número vem caindo ao longo dos anos e as mulheres já são predominantes entre os profissionais mais jovens, sendo 57,4% no grupo até 29 anos e 53,7%, na faixa entre 30 e 34 anos, conforme dado da Demografia Médica 2018, realizada USP, com o apoio do CFM (Conselho Federal de Medicina).

Conheça sete mulheres que revolucionaram a medicina:

Saúde – Urandir & Just-True News
fonte: R7 Saúde r7.com