Saúde – Urandir & Just-True News

<div class="media_box full-dimensions660x360">

<div class="edges">
<img class="croppable" src="https://img.r7.com/images/professora-doa-dinheiro-03122019124430262?dimensions=660×360" title="Curtin (à direita) afirma que já tem tudo o que precisa na vida" alt="Curtin (à direita) afirma que já tem tudo o que precisa na vida" />
<div class="gallery_link">
</div>

</div>
<div class="content_image">
<span class="legend_box ">Curtin (à direita) afirma que já tem tudo o que precisa na vida</span>
<span class="credit_box ">Divulgação</span>
</div>
</div>

<p>
A cientista e professora da Universidade de Newcastle, no Reino Unido, Nicola Curtin, de 65 anos, decidiu doar para um fundo de caridade 865 mil libras (cerca de R$ 4,7 milhões) que recebeu por ter desenvolvido um remédio contra o câncer.</p>
<p>
O projeto escolhido pela pesquisadora apoia uma série de atividades para ajudar as pessoas a desenvolver habilidades, talentos e confiança para superar barreiras ao emprego ou à educação. Serão priorizados negros e minorias étnicas, pessoas com deficiência, sem-teto e pessoas que enfrentam desvantagens que os impedem de realizar seu potencial.</p>
<p>
Nicola integrou o time de desenvolvedores do medicamento Rubraca (princípio ativo rucaparib), utilizado no tratamento de câncer de ovário recorrente. O remédio, mostraram as pesquisas, mata as células tumorais sem danificar células saudáveis.</p>
<p>
O uso desse princípio ativo já é autorizado por órgãos regulares da Europa e dos Estados Unidos. No Brasil, o câncer de ovário é o oitavo tipo mais frequente em mulheres, com cerca de 6.000 novos casos por ano. Ainda não há previsão de quando o medicamento estará disponível para pacientes brasileiras.</p>
<p>
"Sinto-me muita privilegiada por ter uma carreira tão boa. Trabalhando com uma equipe de cientistas da Universidade de Newcastle para lançar o Rubraca no mercado, criamos um tratamento contra o câncer que tem o potencial de mudar milhares de vidas de mulheres", conta Curtin.</p>
<p>
Embora tenha direito a receber participação financeira, a professora abriu mão disso.</p>
<p>
“Essa jornada me fez refletir sobre minha própria vida e parece errado me beneficiar disso financeiramente. Tenho orgulho de que essa pesquisa mude vidas e tenho tudo o que preciso na vida – um bom trabalho, uma família amorosa, uma casa agradável, mas na sociedade há muitos que não têm isso. Eu sei que as pessoas são capazes de coisas incríveis, mas a sociedade nem sempre permite que alcancem seu pleno potencial. Assim, através do Fundo Curtin PARP da Community Foundation, quero deixar um legado duradouro que mudará vidas para melhor.”</p>

Saúde – Urandir & Just-True News
fonte: R7 Saúde r7.com