Mundo Notícias – by Urandir & Just-True News

Sem testes, todo número é ilusão  Just True Urandir Pesquisa Ciencia Ufologia Tecnologia  9a4b avanco regional v1   urandir   MUNDO   Sem testes, todo número é ilusão
Não se engane com a aparência dos gráficos. Só com uma estrutura de testagem e rastreamento em massa, o Brasil terá condições de avaliar e deter a disseminação da Covid-19 Enquanto Jair Bolsonaro aparentemente decidiu mudar o tom da insanidade no seu último delírio em cadeia nacional e Donald Trump reconheceu que seria uma vitória para os Estados Unidos registrar “apenas” 100 mil mortos pela Covid-19, o número de casos e mortes no Brasil segue impávido o crescimento exponencial característico da fase incial das curvas epidêmicas.
Quem examinar de perto os dados que vêm sendo divulgados pelo Ministério da Saúde, porém, poderá ter a impressão enganosa de que o ritmo de crescimento da epidemia no Brasil é mais brando. O gráfico abaixo exibe os cinco estados brasileiros mais atingidos pelo novo coronavírus, em comparação com cinco outras regiões do mundo paralisadas pela epidemia.
Avanço da Covid-19 em diferentes estados brasileiros e regiões do mundo
Editoria de Arte/G1
Duas explicações importantes para ler as informações. Primeira: o crescimento é apresentado a partir do centésimo caso, quando a epidemia já adquiriu extensão suficiente para que as velocidades de contágio possam ser comparadas. Segunda: para facilitar a visualização, os números no eixo vertical representam uma escala logarítmica. Isso significa que cada unidade de incremento nesse eixo representa, na verdade, a multiplicação no número de casos por dez.
Examinando o gráfico, nota-se que as províncias de Daegu (Coreia do Sul), Hubei (China) e Lombardia (Itália) levaram, uma vez registrado o centésimo caso, de seis a sete dias para chegar ao milésimo. O estado de São Paulo levou dez dias, e nem depois dos mesmos dez dias o Rio de Janeiro alcançou a marca. As curvas de Ceará, Distrito Federal e Minas Gerais estão todas abaixo da linha pontilhada, que aponta a evolução média nas regiões selecionadas.
Uma razão possível para isso seria a epidemia demonstrar, no Brasil, um ritmo de evolução mais lento, talvez em virtude de fatores climáticos. Como expliquei no post de ontem, contudo, é também uma explicação improvável. O mais verossímil é que estejamos subestimando o número de casos (numa extensão que tentei estimar no post de anteontem).
Há dois motivos para isso ocorrer. O primeiro é simplesmente a desorganização. Os dados demoram a chegar às autoridades. Tome como exemplo o município mineiro de Santo Antônio do Monte, que anunciou ontem em seu Instagram ter confirmado dois casos na cidade, nenhum deles registrado no boletim emitido pela Secretaria de Saúde de Minas Gerais. O Brasil deve estar repleto de histórias parecidas, em especial dos mortos pela Covid-19 que entram nas estatísticas como vítimas de pneumonia ou outras doenças respiratórias.
O segundo motivo é mais importante, por ter consequências mais sérias para o futuro do combate à epidemia: faltam testes, mesmo para os casos graves. Todo número, portanto, não passa de uma ilusão. O governo paulista anunciou ontem que aguarda o resultado de 14 mil testes realizados em pacientes suspeitos. Parece muito? Não é nada perto da necessidade de rastrear e isolar os infectados.
Considere o caso de Nova York. Depois do centésimo caso, o estado americano levou nove dias para alcançar o milésimo. Aí deu um salto e se tornou o principal foco da doença no mundo, com evolução superior a Hubei – de onde o vírus se espalhou para o planeta – ou à Lombardia – onde o sistema de saúde entrou em colapso por causa da leniência inicial das autoridades.
O que aconteceu em Nova York? Não foi apenas o contágio, mas a ampliação dos testes capazes de detectar o vírus, mesmo em pacientes com poucos ou nenhum sintoma. De acordo com os dados do Covid Tracking Project, o estado havia realizado apenas 8.260 testes até 14 março, quando registrou as primeiras mortes. Com uma estrutura mais ampla de testagem, passou ontem de 205 mil.
Testes não são importantes apenas para a precisão das informações. Permitem também rastrear o vírus, isolar os pacientes infectados e todos aqueles com que tiveram contato. Nenhum país testou tanto quanto a Coreia do Sul (como expliquei na minha série de posts sobre estratégias de combate ao coronavírus). Até ontem, os sul-coreanos haviam realizado 410 mil testes, mais de 800 para cada 100 mil habitantes. Os Estados Unidos, mesmo tendo alcançado 1 milhão de testes, ainda estão pouco acima de 320 para cada 100 mil habitantes.
Mais do que testar, a Coreia do Sul montou uma base de dados capaz de rastrear 84% dos 9.786 casos registrados até agora. Cada paciente é identificado e ligado aos demais infectados com quem teve contato. Dessa forma, conseguiu conter o surto na província de Daegu, onde a doença se espalhou para mais de 5 mil pessoas a partir de uma única infectada num culto religioso. Sem necessidade de recorrer a quarentenas ou ao isolamento radical.
Medidas de teste e rastreamento também foram adotadas de diferentes formas em Hong Kong, Cingapura e Taiwan. Neste último país, a integração dos dados da saúde e da vigilância fronteiriça, com multas rigorosas para quem violasse as quarentenas, foi essencial para deter o vírus antes que de se espalhar pela população (leia mais a respeito neste outro post da série).
O que todos esses países têm em comum não é apenas a cultura asiática. É sobretudo o trauma provocado em 2003 pela epidemia da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars). A população local já estava educada para os riscos representados por uma pandemia e sabia que, depois que um vírus desconhecido se espalha, não há outro remédio senão a paralisia de todas as atividades.
Quando for possível sair das quarentenas, os testes serão fundamentais para monitorar novos surtos, rastrear os infectados e evitar a necessidade de manter toda uma região paralisada. Sem eles, decretar o fim das quarentenas equivale basicamente a instaurar um morticínio coletivo, sobre o qual ninguém terá controle.
O Brasil precisa com urgência multiplicar sua capacidade de testes. Num estado como São Paulo, para chegar à abrangência dos coreanos, seria necessário aplicar no mínimo 370 mil. No Brasil todo, 1,7 milhão – supondo que será possível conter todos os focos disseminados pelo país, como os coreanos fizeram em Daegu. Na prática, a necessidade é maior, pois será preciso manter a vigilância ao longo do tempo. Era nos testes e no rastreamento em massa que o país estaria pensando se dispusesse de uma liderança intelectualmente menos primitiva.

Mundo Notícias – by Urandir & just -True News
Artigo Publicado no Globo.com https://g1.globo.com