Notícias Mundo by Urandir & Just-True

Reino Unido financiou secretamente agência de notícias nas décadas de 1960 e 70  Just True Urandir Pesquisa Ciencia Ufologia Tecnologia  16f7 15789621075e1d0cbb94a81 1578962107 3x2 xl   urandir   MUNDO   Reino Unido financiou secretamente agência de notícias nas décadas de 1960 e 70

O governo britânico financiou secretamente a agência de notícias Reuters nas décadas de 1960 e 1970, a pedido de uma unidade de propaganda antissoviética ligada à inteligência britânica, e ocultou o financiamento usando a rede de rádio e TV BBC para fazer os pagamentos, conforme mostram documentos governamentais recém-divulgados.

O dinheiro foi usado para expandir a cobertura da Reuters no Oriente Médio e na América Latina e ocultado pelo aumento dos pagamentos de assinaturas de notícias da Reuters pela BBC.

“Estamos em condições de concluir um acordo que fornece apoio discreto do governo aos serviços Reuters no Oriente Médio e na América Latina”, lê-se em um documento editado pelo governo britânico de 1969, marcado como secreto e intitulado “Financiamento da Reuters por HMG”. HMG significa “Governo de Sua Majestade”.

“Os interesses do HMG devem ser bem atendidos pelo novo acordo”, afirmou o documento, que foi desclassificado no ano passado.

A extensão da influência —se é que houve— que o governo pôde exercer sobre as notícias da Reuters em troca do dinheiro não está clara nos documentos, que detalham um acordo secreto de financiamento do governo britânico em 1969 à Reuters.

No entanto, os documentos ilustram o nível de envolvimento que o governo já teve nos assuntos da Reuters e o acordo explícito de ocultar o financiamento.

Na segunda-feira (13), a BBC publicou uma matéria sobre o financiamento do governo.

“Muitas organizações de notícias receberam algum tipo de subsídio estatal após a Segunda Guerra Mundial”, disse David Crundwell, porta-voz da Reuters.

“Mas o negócio em 1969 não estava de acordo com nossos Princípios de Confiança, e não faríamos isso hoje”, disse Crundwell, referindo-se aos Princípios de Confiança da Reuters, projetados para preservar a integridade, independência e liberdade da agência de notícias.

As atividades de captação de notícias da Reuters são supervisionadas pela Founders Share Company, criada em 1984 para manter os Princípios de Confiança. Os princípios estipulam que nenhum interesse, grupo ou facção deve dominar a Reuters.

Enquanto a Reuters vende notícias para uma ampla gama de clientes, incluindo governos, nenhum governo exerce controle sobre como ou o que a Reuters produz, disse Crundwell.

Uma porta-voz da BBC disse: “O estatuto da BBC garante independência editorial, não importa que o financiamento seja proveniente do governo do Reino Unido, da taxa de licença ou de fontes comerciais”.

Uma porta-voz do governo britânico não quis comentar.

Os documentos mostram que o Departamento de Pesquisa da Informação (IRD), unidade de propaganda antissoviética britânica com laços estreitos com a inteligência britânica, liderou negociações com a Reuters.

O financiamento do governo britânico à Reuters nas décadas de 1960 e 1970 foi divulgado em 1992 em uma história autorizada da agência de notícias, “The Power of News: The History of Reuters” (O poder das notícias: a história da Reuters).

Em 1969, a Reuters precisava de dinheiro para se expandir ainda mais no Oriente Médio, e potências ocidentais como o Reino Unido queriam reforçar sua influência contra a União Soviética, expandindo os serviços de notícias em todo o mundo, conforme mostraram os documentos.

O financiamento secreto do governo à Reuters totalizou 245 mil libras (R$ 1,32 milhão à taxa de câmbio atual) por ano antes de 1969, mas depois diminuiu para 100 mil libras por ano em 1969-1970 e nada em 1972-1973.

“O novo relacionamento estabelecido com a Reuters no Oriente Médio e na América Latina pode levar a uma valiosa boa vontade e cooperação com a agência em escala global”, disse John Peck, ex-chefe do IRD, nos documentos.

Os documentos diziam que a Reuters “poderia e iria fornecer” o que o governo precisasse, embora autoridades do governo admitissem que a Reuters não queria parecer tomar decisões a mando do governo britânico.

A Reuters, fundada em Londres em 1851 e hoje de propriedade da Thomson Reuters, com sede em Toronto (Canadá), é uma das maiores organizações de notícias do mundo.

facebook profile!

Notícias Mundo – by Urandir & JustTrue
fonte: Folha de São Paulo folha.com.br