Notícias Mundo by Urandir & Just-True

Principal aliado de Eduardo viajou a Washington sem avisar embaixada brasileira  Just True Urandir Pesquisa Ciencia Ufologia Tecnologia  6c3e 15628902655d27d01995b21 1562890265 3x2 md   urandir   MUNDO   Principal aliado de Eduardo viajou a Washington sem avisar embaixada brasileira

O assessor especial do governo Jair Bolsonaro para assuntos internacionais, Filipe Martins, viajou a Washington nesta semana sem comunicar a Embaixada do Brasil nos Estados Unidos e levantou especulações sobre a virtual nomeação de Eduardo Bolsonaro para o posto de embaixador no país.

Martins é um dos principais aliados do deputado e foi quem o apresentou para os filhos de Donald Trump e para Steve Bannon, ex-estrategista do presidente americano. 

Eduardo se tornou o líder na América do Sul do chamado “Movimento” —articulado por Bannon para apoiar políticos nacionalistas, populistas e de direita. Demitido em 2017, porém, o ex-auxiliar da Casa Branca não é mais próximo de Trump e sua relação com Bolsonaro, como mostrou a Folha em março, incomodou integrantes do governo americano.

A viagem de Martins nas vésperas do anúncio de Bolsonaro de que queria o filho embaixador levantou teses como a de que ele foi a Washington fazer consultas sobre a aceitação do nome de Eduardo para o posto.

É praxe que o governo brasileiro converse com autoridades do país receptor, neste caso os EUA, sobre quem será escolhido pelo presidente antes de uma indicação oficial para a embaixada. 

Depois da escolha, o indicado ainda precisa passar pela chancela do Senado.

Aliados de Martins afirmam que ele foi à capital americana fazer apresentações para políticos e empresários, mas não deram mais detalhes sobre o roteiro.

Em novembro do ano passado, o hoje assessor presidencial organizou a viagem de Eduardo aos EUA — também sem articular com a embaixada brasileira no país —  e advogou para que ele ficasse com a presidência da Comissão de Relações Exteriores, e não com o comando da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça).

Diplomatas do Brasil em Washington foram surpreendidos com a notícia da virtual nomeação de Eduardo, mas reconhecem que, apesar de não ser funcionário de carreira do Itamaraty, o peso político que tem pelo fato de ser filho do presidente pode ajudar nas relações com os EUA.

Eduardo participou da reunião reservada entre Bolsonaro e Trump na Casa Branca em março e foi elogiado pelo presidente americano.

Nas últimas semanas, a embaixada do Brasil contava com a nomeação de Nestor Forster para o posto que está vago desde o início de junho, quando Sérgio Amaral, então embaixador, voltou ao Brasil.

Forster retornou de férias nesta quinta-feira (11) para assumir o cargo de encarregado de negócios da embaixada. Ele chegou a interromper o descanso para encontrar pessoalmente com Bolsonaro em uma parada do presidente em Seattle, nos EUA, na volta da comitiva brasileira da cúpula do G20, no Japão.

O gesto aumentou ainda mais a expectativa por sua nomeação.

Forster havia sido promovido à primeira classe da carreira diplomática no mês passado, o que foi visto entre integrantes do governo como a última medida burocrática antes de sua indicação a embaixador do Brasil nos EUA.

Mesmo assim, as relações pessoais e a imprevisibilidade de Bolsonaro eram destacadas com cautela ao longo do período por integrantes do Itamaraty.
 

facebook profile!

Notícias Mundo – by Urandir & JustTrue
fonte: Folha de São Paulo folha.com.br