Notícias Mundo by Urandir & Just-True

Diário de confinamento em Barcelona: Tensão cresce em diferentes setores  Just True Urandir Pesquisa Ciencia Ufologia Tecnologia  768c 15852575065e7d1c22d70ea 1585257506 3x2 rt   urandir   MUNDO   Diário de confinamento em Barcelona: Tensão cresce em diferentes setores

Dia #13 – Barcelona – Quinta, 26 de março. Cena: um arlequim na floresta, duas máscaras na mão: uma feliz, outra adormecida.

“PALMA, PALMA, NÃO PRIEMOS CÂNICO!”.
(Mas sim)
Hoje deu vontade de gritar a frase do Chapolin da sacada. Sem pânico, mas com contundência. Que me joguem latas (e que sejam de atum).

Porque, sim, há sinais. Indicam mais sentimentos no ar do que a bonita festa-da-solidariedade que aparece em redes sociais ultimamente, com gente bacana fazendo música para vizinhos ou ajudando a levar sacolas de compras para idosos solitários em casa.

“Estamos há 15 dias (…) presos! E agora, o que nos trazem? Outro infectado morto no ônibus?” Quem grita é um homem encapuzado na rua, rodeado de dezenas de outros. Enfurecido. Em vídeo divulgado ontem, um grupo de uns 50 homens, na maioria jovens, protesta contra a entrada de um comboio da polícia que escoltava ambulâncias e ônibus com 27 idosos contagiados com coronavírus para uma residência local, a fim de obter melhor atenção médica.

O cenário é Línea de la Concepción, uma cidade com pouco mais de 60 mil habitantes na baía de Gibraltar, sul da Espanha. Além da atividade portuária, é conhecida como antigo lar de uma das lendas do flamenco espanhol, Camarón de la Isla. E, agora, como a cidade onde habitantes recebem idosos enfermos com xingamentos, pedras e coquetéis molotov. Duas pessoas foram detidas, e me parece pouco.

Para sublinhar que não compactuam com essa histeria, os linenses organizaram uma salva de palmas em protesto. A polícia teve que botar um efetivo para proteger a residência onde estão os idosos. E assim avançamos. Espanha já acumula 4.089 mortos e 56.188 infectados, 18% mais que ontem. Já se fala em estabilização da curva, mas ainda é cedo para dizer.

Enquanto isso, em Madri, a crise vira, claro, matéria-prima de disputas políticas. Pablo Casado, líder do PP, partido de oposição, é uma das vozes que acusam o governo central de má administração. Ele é parcialmente secundado por gentz nada fina como Santiago Abascal, do partido ultramegablaster conservador Vox (de quarentena com coronavírus, dias depois de aparecer nas redes abraçadim com Eduardo Bolsonaro na Virgínia, nos Estados Unidos, durante um evento com o capcioso nome de Conservative Political Action Conference, CPAC).

Casado apoia a prorrogação do estado de emergência, mas acusa o presidente Pedro Sánchez de “falta de humildade” e negligência. “[O Governo] já sabia (…) o alcance da enfermidade e, no entanto, (…) autorizou a celebração de eventos massivos”, diz, em sessão no Congresso nesta semana. Ele se refere principalmente às celebrações do Dia Internacional da Mulher, permitidas mesmo depois de a União Europeia divulgar um relatório alertando para o risco de contágios e desaconselhando aglomerações.

Enquanto isso, o primeiro lote de testes rápidos que chegaram da China foram mandados de volta por serem “não-fiáveis”. Vinham de uma empresa não-certificada e tinham um baixo nível de eficácia. Eu queria saber quem é o responsável por uma burrada (caríssima) dessas, considerando que a embaixada da China na Espanha assegura que a tal empresa não constava na lista oficial fornecida a autoridades espanholas.

É isso, señoras e señores. No coração do cavalo louco que avança com curvas e gráficos (e pânico) contra o tempo, cada dia é um novo tsunami, exponencialmente mais dramático do que o dia anterior. E as divergências estão por toda parte, embora ninguém, por antagonista que seja, tenha até agora empregado a palavra “gripecita” para minimizar a gravidade da situação.

O governo da Catalunha, como o de Múrcia e outros, vem pedindo a radicalização do estado de emergência, o que incluiria o fechamento de fronteiras locais. Segundo informe divulgado nesta semana pelo departamento de Saúde da Catalunha, tais medidas poderiam resultar em um pico de contágios mais precoce, com aproximadamente 50 mil casos menos do que as tendências atuais.

O estado de calamidade está em muitos âmbitos, todos distantes do palácio de Moncloa, em Madri –hospitais, asilos, presídios, bolsa de valores, forças públicas, empresas, contas no vermelho, futuros desfeitos, contratos suspensos, solidões profundas, comunidades e coletivos vulneráveis. O pânico não salvará; agir e cooperar, sim (desculpem o spoiler).

Hora de ouvir Camarón, que cantou o poema de García Lorca: “Sobre a mesma coluna / abraçados sonho e tempo / cruza o gemido da criança / a língua rasgada do velho”. Palma, palma, gente.


Leia a parte 1 do diário de confinamento em Barcelona: ‘Não estamos de férias, mas em estado de alarme’

Leia a parte 2 do diário de confinamento em Barcelona: ‘Teste, só para pacientes internados’

Leia a parte 3 do diário de confinamento em Barcelona: ‘A vida vista de cima’

​Leia a parte 4 do diário de confinamento em Barcelona: ‘Panelaço contra o rei’

​Leia a parte 5 do diário de confinamento em Barcelona: ‘O perigo mora em casa’

Leia a parte 6 do diário de confinamento em Barcelona: ‘Solidariedade em tempos de vírus’

Leia a parte 7 do diário de confinamento em Barcelona: ‘O lado utópico da crise’

Leia a parte 8 do diário de confinamento em Barcelona: ‘O canto dos pássaros urbanos’

Leia a parte 9 do diário de confinamento em Barcelona: ‘Os de baixo ficam sem banquete’

Leia a parte 10 do diário de confinamento em Barcelona: ‘Essa desproteção vai cobrar fatura’

Leia a parte 11 do diário de confinamento em Barcelona: ‘Se não estamos no pico, estamos muito próximos’

facebook profile!

Notícias Mundo – by Urandir & JustTrue
fonte: Folha de São Paulo folha.com.br