Urandir News – Notícias Internacionais

Vitória de Boris Johnson pode dar fôlego ao separatismo na Escócia e na Irlanda do Norte?  Just True Urandir Pesquisa Ciencia Ufologia Tecnologia  0367 1   urandir   MUNDO   Vitória de Boris Johnson pode dar fôlego ao separatismo na Escócia e na Irlanda do Norte?
Manter a União será um dos grandes desafios do novo premiê, uma vez que Brexit e resultados eleitorais dão impulso a vozes nacionalistas e separatistas em dois locais-chave. Boris Johnson teve uma ampla vitória, mas vai ter negociações difíceis pela frente com a Escócia e a Irlanda do Norte
PA MEDIA via BBC
O Partido Conservador, do premiê Boris Johnson, foi o grande vencedor das eleições britânicas de quinta-feira (12), abocanhando 365 assentos de um total de 650 no Parlamento e avançando sobre tradicionais redutos dos trabalhistas.
Mas outros dois destaques do resultado final são o Partido Nacional Escocês (SNP), que avançou e ficou com 48 assentos, e o Partido Unionista Democrático da Irlanda do Norte (DUP), que recuou (ficou com 8 assentos) e cedeu espaço para formações favoráveis à unificação das Irlandas.
Os resultados confirmam que, para além do Brexit, manter o Reino Unido, de fato, unido será um dos grandes desafios do novo governo de Johnson.
Esse desafio será particularmente grande na Escócia, onde o SNP só perdeu 11 dos 59 assentos parlamentares em disputa, superando concorrentes tanto conservadores como trabalhistas e liberais-democratas.
E o SNP fez isso prometendo usar a força renovada para pedir um segundo plebiscito sobre a independência da Escócia.
Simpatizantes de um segundo plebiscito na Escócia: separatismo ganha força com a eleição desta quinta e com o avanço do Brexit
Getty Images via BBC
“Boris Johnson tem o mandato de tirar a Inglaterra da União Europeia, mas tem de aceitar que eu tenho o mandato de dar à Escócia a possibilidade de optar por um futuro alternativo”, disse, em seu discurso de celebração, a líder do SNP, Nicola Sturgeon, primeira-ministra escocesa.
“A Escócia enviou uma mensagem muito clara.”
Sturgeon afirmou que iniciará nos próximos dias os trâmites legais para pedir que o Parlamento organize um segundo plebiscito independentista (no anterior, em 2014, a maioria dos escoceses votou por permanecer no Reino Unido).
E, embora Johnson tenha dito que vetará a votação, a imagem de um governo conservador inglês ignorando uma eleição democrática entre escoceses provavelmente fomentaria anseios separatistas.
Caminhos diferentes
Boris Johnson e Nicola Sturgeon; ela prometeu pleitear um novo plebiscito sobre a independência escocesa, e ele prometeu vetá-lo
EPA via BBC
“O argumento mais forte do SNP é que a Escócia e o restante do Reino Unido estão se movendo em direções políticas opostas”, explica Sarah Smith, editora de Escócia da BBC.
“E isso foi demonstrado vividamente com a Inglaterra abraçando os conservadores, enquanto estes perdem votos e assentos ao norte (onde fica o território escocês).”
Em contrapartida, o lema de campanha dos conservadores escoceses foi “diga novamente não ao plebiscito de independência” – justamente em referência à votação de 2014, quando o “não” venceu com 55,3% dos votos.
Só que esses conservadores perderam sete de seus 13 assentos escoceses, enquanto o SNP levará 13 novos deputados ao Parlamento em Westminster e recebeu 45% dos votos.
Protesto a favor da independência da Escócia toma conta das ruas de Edimburgo em 2018
Russell Cheyne/Reuters
E, em um território que votou esmagadoramente a favor de permanecer na União Europeia, as atuais circunstâncias — em que parece inevitável a execução do Brexit, processo de saída britânica da UE — são vistas por muitos escoceses como uma justificativa para voltar a discutir o separatismo, questão que era considerada encerrada por uma geração.
Sturgeon afirmou saber que não necessariamente quem votou no SNP também votará pela independência.
“Mas tem havido um forte respaldo a que a Escócia tenha opções, em vez de suportar um governo conservador pelo qual não votamos e de aceitar uma vida fora da UE”, declarou.
REPERCUSSÃO: Como os líderes mundiais reagiram ao resultado da eleição britânica
Sturgeon, no entanto, se recusou a revelar qual será sua estratégia se Johnson de fato bloquear no Parlamento britânico a realização de um novo plebiscito escocês.
“Acabo de ganhar uma eleição com o argumento de que a Escócia tem o direito de escolher”, respondeu ela. “Depende dos conservadores decidir qual é seu plano B quando o meu plano A acaba de receber um amplo respaldo.”
Para a editora Sarah Smith, uma “colisão constitucional” parece inevitável.
“O partido que domina a Escócia agora está em rota de colisão constitucional com o governo do Reino Unido”, citando o fato de o voto escocês no pleito desta quinta ter sido tão oposto ao voto da maioria da Inglaterra.
E, mesmo que Johnson consiga resistir aos embates de curto pazo, corre o risco de, no meio do caminho, fazer aumentar o apoio à causa independentista.
Irlanda do Norte
Atualmente não há uma fronteira rígida, com controle de mercadorias e passaportes, na fronteira entre Irlanda do Norte e República da Irlanda
Paul Faith/AFP
Na Irlanda do Norte, por sua vez, os eleitores também elegeram mais deputados ligados à causa da unificação da Irlanda do que defensores da unidade britânica.
E a derrota do líder do DUP em Westminster, Nigel Dodds, foi uma das mais marcantes da noite de quinta-feira.
Os resultados nacionais também reduziram consideravelmente a influência do DUP, que chegou a ser um aliado-chave no primeiro mandato de Johnson e no debilitado governo de Theresa May (premiê que antecedeu Johnson no cargo).
Mas, acima de tudo, pela primeira vez na história os unionistas não são maioria nem em Westminster nem em Stormont (o Parlamento irlandês), algo que o partido nacionalista Sinn Féin usou para pedir seu próprio plebiscito.
“É impossível ignorar a crescente demanda por um plebiscito sobre a unificação irlandesa”, disse, nesta sexta-feira, a presidente do Sinn Féin, Mary Lou McDonald.
Isso não significa, porém, que exista uma clara maioria de eleitores a favor da unificação irlandesa: no geral, os partidos unionistas receberam mais votos do que seus pares nacionalistas.
Leo Varadkar (E), primeiro-ministro da República da Irlanda, fala sobre Brexit com presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker
François Lenoir/Reuters
Só que nenhum dos dois lados tem maioria, sendo o Partido da Aliança da Irlanda do Norte, declaradamente neutro, uma espécie de fiel da balança.
E, em um território que também votou majoritariamente para permanecer na União Europeia, a forma como Johnson lidar com o tema pode também ser decisiva.
Seu acordo de Brexit com a UE foi criticado até mesmo pelo DUP, por a princípio manter a Irlanda do Norte mais perto da UE do que do Reino Unido — embora Johnson afirme que se trata de uma medida temporária e transitória.
Em um contexto de reveses econômicos pós-Brexit, e de a fronteira com a Irlanda continuar a ser uma questão delicada no processo de saída da UE, o nacionalismo irlandês pode avançar.

Urandir – Notícias Internacionais
Matéria original publicada em globo.com