Urandir News – Notícias Internacionais

Presidente do Equador diz que há condições para Assange deixar a embaixada em Londres  Just True Urandir Pesquisa Ciencia Ufologia Tecnologia  ff73 2018 09 21t222002z 853555096 rc1755771100 rtrmadp 3 ecuador assange   urandir   MUNDO   Presidente do Equador diz que há condições para Assange deixar a embaixada em Londres
Fundador do WikiLeaks está refugiado na embaixada do Equador em Londres desde 2012. Julian Assange na sacada da embaixada do Equador em Londres, em 19 de maio de 2017
Reuters/Peter Nicholls/File photo
O presidente do Equador, Lenín Moreno, disse nesta quinta-feira (6) que o governo britânico forneceu garantias suficientes para que o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, deixe a embaixada do Equador em Londres.
Assange buscou refúgio na embaixada equatoriana fugindo de um mandado de prisão europeu porque a Suécia o reivindicava como suspeito de crimes sexuais cometidos em 2010. A Justiça sueca arquivou a investigação, mas a polícia britânica ainda quer prendê-lo por violar os termos de sua liberdade condicional em 2012.
Assange também teme sair da embaixada e acabar em uma prisão dos Estados Unidos pelo vazamento de segredos de Estado do país.
Em entrevista à Associação Equatoriana de Radiodifusão, Moreno disse que foram feitas negociações com o governo britânico em que o Equador pediu “o respeito ao direito humano, à vida do senhor Assange”. Segundo Moreno, foram pedidas garantias de que Assange não seja extraditado a nenhum país em que corra perigo de vida ou que haja pena de morte.
O presidente equatoriano afirmou que recebeu uma comunicação oficial do governo britânico afirmando que a Constituição local impede que uma pessoa seja extraditada a um local em que possa correr perigo de vida.
“Está feito o caminho para que o senhor Assange tome a decisão de sair a uma quase liberdade… porque ele não se apresentou aos juízes britânicos e tem que pagar uma pena não grande por isso. Isso será decidido pela Justiça britânica”, disse o presidente equatoriano.
Moreno, que tomou posse em maio de 2017, insiste que Assange deve deixar a representação diplomática do país em Londres. Em março, o governo cortou seu acesso à internet e restringiu as visitas. Seus advogados afirmam que ele está detido arbitrariamente na embaixada e pedem que o Reino Unido forneça garantias de que ele não será extraditado para os EUA.

Urandir – Notícias Internacionais
Matéria original publicada em globo.com