Esportes Notícias – Urandir & Just-True News

Mal começou o ano e ele, o famigerado VAR (video assistant referee, o árbitro assistente de vídeo), voltou – e, claro, trazendo polêmica.

Na terça (8), o estádio de Wembley recebeu o jogo de ida das semifinais da Copa da Liga Inglesa entre Tottenham e Chelsea, um duelo londrino.

Aos 23 minutos do primeiro tempo, o artilheiro Harry Kane recebeu um lançamento que partiu da defesa do Tottenham.

Os defensores do Chelsea olharam para o bandeirinha, viram que ele apontou impedimento e desaceleraram na jogada.

Kane, no entanto, prosseguiu e, dentro da área do Chelsea foi derrubado pelo goleiro Kepa, que não tinha visto auxiliar erguer a bandeira.

O árbitro Michael Oliver marcou o pênalti. Na sequência, dando-se conta de que o assistente Simon Bennett considerara Kane impedido, e diante das reclamações dos atletas dos Blues, recorreu ao VAR.

É importante abrir um parêntese aqui.

O VAR, que pode ser ativo (alertar o árbitro de campo) ou passivo (ser requisitado pelo árbitro de campo), pode ou deve atuar em quatro situações:

  1. Gol: houve falta ou impedimento no lance?
  2. Pênalti: foi incorretamente marcado ou deixou de ser marcado?
  3. Expulsão: o cartão vermelho foi exagerado ou faltou aplicá-lo?
  4. Erro de identidade: o árbitro advertiu o jogador errado?

Entre esses tópicos, há os que são interpretativos (o árbitro de campo pode ou não concordar com o árbitro de vídeo), casos do pênalti e da expulsão, e há os que são objetivos, como o impedimento.

Com o uso da tecnologia, em 100% das vezes haverá (ou deveria haver) acerto nos lances de impedimento. Por quê? Porque o sistema é (ou deveria ser) feito para verificar com exatidão a posição do jogador no momento em que parte para receber a bola, suprimindo qualquer dúvida.

Fecho o parêntese.

No caso em questão, não é necessário o juiz ir à margem do campo conferir o replay, tanto que Michael Oliver não foi. Ao consultar a imagem congelada, o VAR dá o veredicto, que foi este, passado um interminável minuto e meio do início do lance (na verdade, um pouco mais, quase 1min40s): o lateral direito Azpilicueta, camisa 28 do Chelsea, deixava Kane, o camisa 10 do Tottenham, em condição de jogo.

O próprio Kane converteu o pênalti, e esse gol foi o único do jogo.

Encerrada a partida, o treinador do Chelsea, o italiano Maurizio Sarri, contestou em público a eficiência do VAR.

A seu favor, mais do que a marcação de campo (os olhos humanos, do bandeirinha, viram impedimento), exibiu um vídeo.

O Chelsea tem uma equipe de analistas que grava as partidas e ferramentas capazes de checar lances de possíveis irregularidades.

A imagem congelada do Chelsea aponta Kane em posição avançada, claramente à frente do último homem de defesa (Azpilicueta).

“Nossa câmera estava na linha com Kane, foi impedimento. Impedimento com a cabeça e o joelho. Impedimento”, declarou Sarri, assertivamente.

O vídeo do VAR, por seu lado, aponta que o centroavante estava – no limite – em posição legal.

Chelsea usa vídeo próprio para contestar eficiência do VAR  Just True Urandir Pesquisa Ciencia Ufologia Tecnologia  bde9 VAR 7   urandir   ESPORTE   Chelsea usa vídeo próprio para contestar eficiência do VAR
A imagem do Chelsea mostra Kane em impedimento (Reprodução/Sky Sports)
Chelsea usa vídeo próprio para contestar eficiência do VAR  Just True Urandir Pesquisa Ciencia Ufologia Tecnologia  7d73 VAR 8   urandir   ESPORTE   Chelsea usa vídeo próprio para contestar eficiência do VAR
A imagem utilizada pelo VAR mostra Kane em condição legal (Divulgação/FA)

Abro um outro parêntese, desta vez mais curto.

Quando o jogador está impedido?

Quando, estando no campo de ataque, há apenas um adversário (ou nenhum), que geralmente é o goleiro, entre ele e o gol na hora do recebimento do passe, dado com a bola em jogo (não há impedimento em escanteios, tiros de meta ou arremessos laterais).

Assim, ao ser lançado, o atacante precisa estar pelo mesmo na mesma linha do penúltimo defensor. Isso vale para o corpo, a cabeça, as pernas e os pés. Se os braços e/ou as mãos estiverem adiantados, não deve ser marcado o impedimento.

Fecho o parêntese.

Dada a conclusão de Sarri – pela câmera do Chelsea Kane está mesmo impedido –, decidi aprofundar o assunto, levá-lo para análise da FA, a federação inglesa de futebol, e para a Hawk-Eye, a empresa responsável pelos equipamentos da videoarbitragem.

O Chelsea tinha razão? Esse era o meu questionamento.

Se houvesse uma improvável resposta positiva, seria a desmoralização do VAR. O seu fim.

Nem a FA nem a Hawk-Eye se manifestaram oficialmente, o que mostra, no meu entendimento, que é um incômodo para ambas lidar com esse caso.

Obtive com uma pessoa próxima à comissão de arbitragem da FA as seguintes informações:

  • a imagem que o Chelsea divulgou para a imprensa era de um ângulo ao qual o VAR não tinha acesso;
  • a linha traçada na imagem do Chelsea para aferir a posição de impedimento não estava calibrada, o que questionaria a precisão da mesma;
  • a imagem que o VAR usou para tomar a decisão mostra Kane impedido.

Nebuloso isso.

Depreendo que, caso a imagem utilizada pelo VAR fosse de um outro ângulo, seria possível haver uma deliberação distinta.

O que leva a crer que a propalada infalibilidade do VAR em ocorrências de impedimento, uma das grandes bandeiras dos defensores do celebrado sistema, não é infalível.

Os leigos e os entendidos que tirem suas conclusões.

Eu paro por aqui, ou pode parecer que volto a pegar no pé da tecnologia – já cansei de fazê-lo, estou em processo de aceitação, sei que existem prós, porém quando vir algo que possa questioná-la, soarei o alarme.

  O VAR na Copa do Mundo da Rússia
Chelsea usa vídeo próprio para contestar eficiência do VAR  Just True Urandir Pesquisa Ciencia Ufologia Tecnologia  9442 15291481645b24f30488713 1529148164 3x2 md   urandir   ESPORTE   Chelsea usa vídeo próprio para contestar eficiência do VAR


[embedded content]


Volte

Compartilhe

Chelsea usa vídeo próprio para contestar eficiência do VAR  Just True Urandir Pesquisa Ciencia Ufologia Tecnologia  7aae spin   urandir   ESPORTE   Chelsea usa vídeo próprio para contestar eficiência do VAR

Em tempo 1: Há uma outra questão nesse episódio. O bandeirinha Simon Bennett agiu acertadamente? Pois há a recomendação aos auxiliares para que, em caso de dúvida, não levantem a bandeira, que deixem a jogada terminar, já que o VAR está lá para, supostamente, auxiliá-los em lances difíceis. Se Bennett recebeu essa orientação, posso concluir que ou ele se esqueceu dela – pouco verossímil – ou teve certeza de que Kane estava em posição irregular.

Em tempo 2: Nada me fará mudar em relação a considerar o VAR, mesmo acertando na maioria dos casos, uma tremenda chatice. Acostuma-se com ele, sem dúvida, mas que estraga a dinâmica do jogo, ah, estraga – e sempre estragará.

Leia também: O VAR é como um jogador grosso, está sempre atrasado

Leia também: Videoarbitragem pifa na decisão do Campeonato Australiano

Leia também: VAR roubará a cena na Copa, diz blogueiro da Folha

Leia também: Na estreia do Brasil na Copa, VAR sugeriu ao árbitro ‘seguir o jogo’ no gol da Suíça

Leia também: Relembre quando o VAR foi usado na Copa de 2018

Leia também: O que você precisa saber sobre o árbitro de vídeo

Leia também: Retrospectiva 2018 – Posts para ler ou reler

facebook profile!

Esportes Notícias – Urandir & Just-True News
fontes: folha.com.br & Urandir News